Carlos Lúcio Gontijo

      Trabalhamos por mais de 30 anos na grande imprensa. Fomos revisores, supervisor de revisão, secretário de redação, editor, editorialista e articulista. Assistimos aos juros altos e ao desemprego elevado, engenheiros disputando vaga com garis, universidade para meia dúzia e o governo, tido e havido como príncipe da intelectualidade sociológica, dizendo que os brasileiros desempregados eram “inempregáveis”, ao passo que, mesmo aposentado bem antes dos 50, rotulava os aposentados brasileiros de vagabundos. Não havia povo nem no projeto nem nos discurso de governo.

       Naquele tempo, investir no social era considerado despesa inócua, pois segundo a filosofia neoliberal quem não consegue encaixar-se no mercado não merece o benefício de qualquer política compensatória. Para os neoliberais, o deus-mercado deve reinar absoluto, sob a batuta dos grandes conglomerados do sistema financeiro mundial. Foi denunciando a visão antissocial e anticristã de então que tivemos o nosso artigo de toda quinta-feira, publicado no indelével “Diário da Tarde” suspenso durante 60 dias, pelo mesmo grupo político que hoje fala tanto em liberdade de expressão.

       Como não temos a menor disposição para discutir política com quem visualiza o povo na condição de simples detalhe no contexto econômico-social, optamos por apenas rogar ao Criador, a fim de que nossa gente seja contemplada com muita sabedoria e, miraculosamente, não permita tornar-se presa fácil de seus algozes históricos, que detestam trabalhador e desejam, sem qualquer pudor e como bem os representava o saudoso humorista Chico Anysio, que o povo exploda!

       Nossa esperança reside na boa informação, na educação de qualidade e na conscientização da qual a cultura é capaz. É sob esse prisma que participaremos da Pré-bienal do Livro de Divinópolis, nos dias 1º, 2 e 3 de novembro. Além de nossa presença, doaremos à iniciativa livros de nossa autoria, que serão gratuitamente distribuídos às escolas inscritas no evento, que se dará no Ginásio Poliesportivo Fábio Botelho Notini, contando com o apoio institucional da Secretaria Municipal de Educação, Superintendência Regional de Ensino de Divinópolis e Região, Secretaria Municipal de Cultura e Associação Comercial, Agropecuária e Serviços de Divinópolis entre outros.

       Contraditoriamente, o Brasil que tanto avançou nos últimos anos permanece distante da democratização do acesso aos livros e seus autores, que deveriam estar próximos às escolas, por ser um fator exponencial para evitar que o processo democrático seja ameaçado a cada eleição, onde candidatos distantes dos interesses e anseios do povo se aproveitam do baixo nível de conscientização do eleitorado e tentam ungir, pelo voto universal, os seus instintos arbitrários e procedimentos antidemocráticos.  

       Carlos Lúcio Gontijo

       Poeta, escritor e jornalista

      www.carlosluciogontijo.jor.br

      07 de outubro de 2014.