Carlos Lúcio Gontijo                              

                    

                Ao preparar o lançamento de dois livros (em comemoração aos meus 40 anos de atividade no âmbito da literatura e da poesia), tive por meta a simplicidade, como deve ser evento cultural em torno do exercício da arte da palavra escrita e em conformidade com a essência do que sou como escritor e cidadão consciente de seu lugarzinho em um planeta de sete bilhões de pessoas, onde cada ser humano (ao tempo que significa partícula única de mundo espiritual particular) não passa de minúscula gota d’água em oceano de gente.

                 Assim com a obra infantil “Beijoaria”, ilustrada e diagrama por Nivaldo Marques Martins, parceiro em grande parte de minha produção literária; e o romance “Desmemória de horizonte” (meu 20º título), que foi diagramado por Antônio Jabur Neto e enriquecido com várias fotos do jornalista Hamilton Flores, colega de curso de Jornalismo, que no ano de 1977 já me havia emprestado o seu talento no livro “Leite e Lua”.

                 O primeiro lançamento, no dia 26 de abril de 2017, se deu em Santo Antônio do Monte, com a presença de muita gente, apesar da noite chuvosa. Na ocasião, o cantor “Bibi” (Orvile Oliveira) interpretou maviosamente o poema “Sangue montense”, que escrevi há muitos anos e foi musicado pelo saudoso amigo maestro “Vai” (Otaviano José Coimbra Batista), emocionando todo o público que se dispôs a sair de casa (veio gente de Lagoa da Prata, Divinópolis e São Gonçalo do Pará), a fim de prestigiar a sessão de autógrafos, ocorrida na Casa de Pizza, sob a marca de sensível confraternização em meio à trilha sonora da MPB apresentada por André Duarte, a virtuose musical do sax do Ronaldo (maestro da banda Lira Monsenhor Otaviano) e o sorteio de camisas alusivas à minha trajetória literária.

               Sem tempo para descanso, rumamo-nos (Nina e eu) até Belo Horizonte no dia 6 de maio, onde no “Gamela Bar e Restaurante”, no bairro Santa Tereza, recebemos um mundaréu de gente em se tratando de evento voltado ao lançamento de livros. Por várias vezes meus olhos se encheram de lágrimas contidas, ao me deparar com pessoas que saíram de longe como as cidades de Divinópolis, Santana do Jacaré/MG, São Paulo/SP e amigos que, mesmo com problemas de saúde, se entregaram ao ato fraterno de me levar o seu efetivo apoio.

                 Indizível e longe de tradução em palavras, a felicidade de contar com a presença de minhas “ex” e eternas professoras Maria Greco e Lenir Greco, duas irmãs que dedicaram suas vidas ao ensino e ali estavam a espargir a magia de um sentimento de amizade sem fim. Confesso-lhes que não esperava por tão amplo apoio do público leitor aos lançamentos em Santo Antônio do Monte e em Belo Horizonte, o que veio iluminar com a dádiva do sentimento de recompensa a todo o meu esforço na edição de livros de poesia e romance, publicação de artigos em jornais, palestras em escolas etc., sempre guiado pelo idealismo de contribuir, ainda que minimamente, com a construção de um mundo melhor, mais justo, mais digno, socialmente menos desigual e, sobretudo, mais cristão – abrigando uma gente mais capaz de praticar o verdadeiro amor ao próximo apregoado por Jesus Cristo.

                  Carlos Lúcio Gontijo

                  Poeta, escritor e jornalista

                 www.carlosluciogontijo.jor.br

                09 de maio de 2017.